domingo, 23 de agosto de 2009

CARTA AOS CRISTÃOS DE HOJE

"Antes de qualquer coisa quero dizer, em nome de Jesus, que sendo um pecador dentre todos os pecadores da Terra, nem por isso posso negar que Deus habita em mim, e que Dele recebo a Luz.

Dou a conhecer aos meus amados irmãos que encontrei e conheço a nosso Senhor Jesus Cristo—Deus Conosco—, a Quem Deus constituiu como meu Salvador por Sua exclusiva Graça, hoje e para todo o sempre. Amém.

Encontrei com Ele porque tudo procede Dele, e Nele eu sou. Pois antes mesmo de haver sido qualquer coisa criada, Ele mesmo se entregou como oferta por toda a Sua criação, sem que ainda houvesse Cosmos: por isso só Ele é Deus!

Ele era, Ele é e Ele há de vir. Eu que nada sou, sempre fui Nele, antes de eu mesmo ser. E o que há de vir, só virá porque antes que qualquer coisa houvesse, Ele se entregou como oferta de Graça pela criação que ainda estava por vir.

Por isso, irmãos, quero dizer que segundo a muita misericórdia de Deus nosso Pai, recebi de nosso Único e Soberano Senhor, a missão de informar a todos que não há outra maneira de se enxergar a História se não à partir da Eternidade.

Digo isto, irmãos, porque sei que para muitos de vocês parece haver Deus falhado na realização de Sua promessa de criar para si mesmo, na História, uma noiva pura, sem defeito e sem mácula: a Sua Igreja; a qual haveria de ser percebida pelo mundo como luz; e pela terra como sal.

Tivemos, irmãos, o tempo histórico linear que houve entre referências históricas tão majestosas em fé como de Abrão e Paulo, em seus intervalos históricos. Muita coisa aconteceu entre as existências de Abraão e Paulo; pois dois mil os separaram um do outro! Somos todos História, irmãos!

Dois mil anos nos separam, amados irmãos, do dia de Pentecoste; e, honestamente, aonde fomos? Para frente? Como?

Sim! Mostrem-me um único tempo de duradoura prevalência histórica da verdade sobre as aparências e da Graça sobre a Religião e as Leis?

Para muitos parece haver Deus falhado; e é como se o Evangelho tivesse ficado sem o devido testemunho de sua verdade.

Amados, nunca houve uma única geração que tenha visto o pleno testemunho da Palavra encarnada pelo Povo de Deus desde a nossa Queda, no Éden.

Até mesmo a própria densidade histórica daquilo que era igreja—os hebreus, os israelitas, os judeus, os judeus cristão de Jerusalém, e as igrejas dos gentios—sim! Mesmo entre eles nunca se viu a compreensão de que havia alguns princípios em operação no fenômeno histórico; sendo que um desses princípios pré-determina, historicamente, que alguns outros princípios aconteçam em cadeia e como seqüência; mantendo-se uns aos outros infindavelmente em operação, até que venha o Fim-Começo de todas as coisas, quando Aquele que estava no Principio oferecendo-se a Si mesmo por todos nós, haverá de dar plenitude a todas as coisas.

Foi também por isso que Ele se Encarnou em Jesus; realizando pela Sua Historificação, a manifestação daquilo que Ele mesmo já havia realizado pela Sua própria criação; oferecendo-se a Si mesmo por nossos pecados; visto que, quem nós somos também pré-existia Nele.

Por isso Ele é nosso Deus.

Ele é o único que é Luz, e Nele não há treva nenhuma, pois para Ele as trevas e a Luz são a mesma coisa. Ele não mente porque para fora Dele não há realidade.

Sim! Por isto Ele se Encarnou, a fim de dar a Si mesmo a conhecer ao mundo—começando por aqueles que historicamente abrigavam o clarão da Promessa, os filhos de Sete, filho de Adão; chegando aos hebreus; e, posteriormente, também aos cristãos; como hoje tão claramente se vê.

Ele determinou que a História seja compreendida somente a partir de Seu final, visto que, para Ele, o final é o começo.

Por isto Ele é o Alfa e o Ômega. O Princípio e o Fim. Pois assim como para Ele as trevas e a luz são a mesma coisa; também determinou que o princípio seja o fim e o fim, o princípio.
Visto que nada há mais próximo para o nosso senso de percepção da história que o próprio princípio; daí a Nova Jerusalém ser uma versão da eternidade “atravessada” pelo tempo, visto que lá o Éden também se faz presente.

Os elementos do Princípio estão presentes no Fim, pois o Princípio e o Fim são a mesma coisa. Almejamos o Paraíso por que almejamos o Futuro com os suspiros do Passado.

Éden e Nova Jerusalém são as nossas possíveis linguagens humanas para falar que Ele é o Princípio e o Fim; o Alfa e o Ômega.

Aquele em quem, tudo e todas as coisas subsistem; inclusive esse meu ato de escrever.

Deus é!

É Deus!

Portanto, a pregação de que Deus estava em Cristo reconciliando consigo mesmo o mundo, era também a declaração de que a própria História jamais será discernida em seu estado de Queda e de Repetição, senão à partir do Cordeiro.

Sim! só é possível tolerar a História à partir dessa metafísica. Tudo começa com Aquele que é, e que se deu; que criou e que deu Sua própria Vida para criar; e que amou a ponto de se entregar, sendo Ele mesmo Deus.

Isto nos foi revelado para que soubéssemos que toda manifestação de Deus naquilo que chamamos História é também a revelação de como a História enxerga Deus, pois eis que Ele veio para o que era Seu, e os Seus não o receberam. Este é um fatídico Princípio Histórico.

A História nunca verá a Deus no Ato da Manifestação; visto que ela só se alimenta do Passado.

O Passado é o único bem da História, visto que, o Presente acontece sem o Seu reconhecimento—afinal: os Seus não o reconhecem. Quando o reconhecem, então, já virou História; e já está perdendo o momento imediato da Revelação e da Iluminação de Deus, visto que a primeira é experimentada de dentro para fora; e a segunda, de fora para dentro—digo: como experiências.

Assim, a única maneira de se entender a História e a nós mesmos, é pela modificação de nosso vício no pensar, e não deixarmos jamais de nos renovar na nossa mente; discernindo sempre a centralidade e essencialidade do Espírito da Graça—que é a compreensão de que Ele ofereceu por nós antes de todas as coisas serem criadas, a fim de que nos mantenhamos “hebreus”; ou seja: seres em permanente estado de impermanência; para que caminhemos em fraqueza e em quebrantamento: vendo, sem poder fazer enxergar; amando sem poder provar; discernindo sem se fazer compreender; ouvindo sem conseguir se fazer entender; e crendo sem ser capaz de se fazer impor.

Amados, esse é um princípio dos mais importantes. Se alguém não crê que antes de haver Luz houve Cruz, ninguém poderá discernir a Realidade, mas tão somente a História (que já é Passado). E a História já não mostra a Realidade, visto que esta acontece sempre em extremo adiantamento em relação à Compreensão da História, que não consegue ver o Dia Chamado Hoje.

Por isto, Ele veio para os Seus e os Seus não o receberam e nunca o receberão.

Meus irmãos, se fizemos o que fizemos com a mensagem histórica do Evangelho de Jesus, por que nos espantarmos com qualquer outra coisa na História?

A História só é vista como Realidade para aqueles que Nele vêem a Realidade do Hoje como História. Embora aqueles que Hoje já têm esse discernimento só venham a ser conhecidas muito tempo depois.

Os profetas nascem da incompreensão!

Para esses, os profetas, a História ergue Pilares Póstumos, conforme disse o Cordeiro, oFilho do Homem, nosso Senhor e Deus, Jesus Cristo, referindo-se aos escribas, fariseus e autoridades religiosas.

E por que é assim?

Para que ninguém se glorie! E para que ninguém tente separar o Joio do Trigo. Na história os irmãos se reconhecem, mas a História também não consegue reconhecê-los.

A verdadeira Igreja jamais será discernida em plena visibilidade histórica, visto que a Igreja que a História vê, já não existe, pois a História só vê o passado.

A rejeição de Deus em Cristo é o testemunho de que a História tem que ser enxergada à partir da Palavra e não a Palavra ser entendida pela História!

Deus encerrou todos na ignorância e nos deixou ver apenas que cada geração, no máximo, enxerga para trás. Somente a Revelação abre nossos olhos para que enxerguemos um profeta Hoje.

Ora, isto acontece por causa do princípio da Impermanencia por Deus estabelecido. Nosso amado irmão Paulo fala disto em sua Epístola aos Romanos, nos capítulos 9 a 11. Deus cega a uns para que outros enxerguem. Até que os que pensam que vêem fiquem cegos pela sua presunção de visão; então, é hora de outros enxergaram.

É por esta razão que aquilo que é elevado diante de Deus sempre é abominável entre os homens, e vice-versa. A História não enxerga a Realidade enquanto esta se mostra como Hoje.

Daí nosso Senhor ter dito que é preciso perder hoje para que se venha a ganhar no futuro. A existência profética acontece dando este testemunho da verdade.

Deus deu aos santos apóstolos e profetas no Espírito, aqueles que foram historicamente chamados pelo Senhor Jesus, uma importância histórica inigualável. Os demais apóstolos que vieram depois foram apenas “Vocadores Históricos de um Momento”, visto que apenas aplicaram a Luz recebida pelos apóstolos de Jesus aos novos contextos de seus próprios dias.

Entendemos História como Princípio, mas Hoje só nos é possível discerni-la no espírito.

Esse princípio da impermanencia deflagra o principio das alternâncias. As lutas entre Caim e Abel; Ismael e Isaque; Esaú e Jacó—apenas confirmam esse princípio, e que está presente na História até os dias de hoje, e estará para sempre.

Deus definiu que assim seja, visto que, num mundo caído, a saúde vem dos movimentos que desestabilizam. A tragédia desse princípio é que ele estabelece a rejeição “natural” da Graça; a rejeição da Cruz, visto que a História, no máximo, reconhece a Crucificação, mas a Cruz só se realiza como Hoje.

Assim, temos também que admitir que os Atos dos Apóstolos carregam a Palavra, mas não a contêm em totalidade, visto que a História contatada já era passado, e a Palavra é sempre Hoje. Pensar diferente seria estabelecer a total Prevalência da História sobre a Palavra? Pensar diferente faz com que “cultuamos os apóstolos”, mas não nos habilita a enxergamos a sua palavra, visto que confundimos os apóstolos e seus Atos com a Palavra de Deus, que era, é e sempre maior que seus portadores.

A Palavra só se Encarnou uma Única vez: em Jesus Cristo. Antes e depois Dele ninguém encarnou a Palavra. Pois todos pecaram e todos carecem da glória de Deus! Ora, então você pergunta: Qual a vantagem de saber de tudo isto? Não se pode pretender nada, senão já se obriga o Presente—o Momento—a servir por antecipação a própria História. Além do mais, só houve Um que sabia, e decidiu entregar a Si mesmo ao Momento, a fim de nos salvar para toda a eternidade.

Ele é Aquele a Quem a História não reconheceu de modo algum; mas a quem alguns discerniram por Revelação. Nisto reside o mistério da eleição, ainda que em Deus a eleição não é um mistério, mas uma confissão de liberdade e sabedoria. Ora, sendo todas as coisas assim, devo dizer apenas mais uma coisa: Ele estabeleceu que a Revelação aconteça no Momento, pois somente pelo Espírito Santo alguém pode reconhecer a Jesus, não como Persona Histórica, mas como Cordeiro, Deus nosso, o qual seja bendito eternamente. Amém.

E o Espírito fala no Momento, no Dia Chamado Hoje!

Hoje, pois, se ouvirdes a Sua voz, não endureçais os vossos corações! E se alguém quer andar com Ele, aprenda com a História, sirva-se dela como revelação de como cada geração perde a Revelação por cultuar o Passado: a História.

Que a Graça de Deus guarde a todos nós! Que a Palavra eterna nos fale Hoje!

E que o Verbo seja a Palavra de Hoje e sempre!

Nele,
Caio "
[grifo nosso].
Texto escrito em 19/01/2003.
====================================================================
Disponível em: http://www.caiofabio.com/. Acesso em: 23/08/2009
Postar um comentário